Porque sua empresa precisa de gamificação?

Controle de videogame com a palavra work gravada

A resposta curta é também a óbvia: sua empresa não precisa.

Todas as empresas chegaram até o século 21 sem a gamificação, sem grandes problemas de relacionamento e comunicação. Líderes e liderados – mesmo que de gerações diferentes – sabem o que tem que fazer para a organização ser lucrativa e continuar funcionando para manterem seus empregos. E, para sorte de alguns, seus bônus e prêmios.

E porque de repente agora a gamificação é a solução para todos os problemas da empresa? E mais, que problemas são estes que ainda não havíamos enxergado?

Acredito que estamos olhando pelo ângulo errado. O problema não está nas organizações e em seus funcionários. É a nossa relação com o mundo que está mudando muito mais rápido do que podemos assimilar. A novidade da manhã já envelheceu no almoço. Minutos após uma notícia surgem memes, virais, opiniões inflamadas, não importa o fato, não importa o tema. Criamos (talvez sem querer) uma pressão social para sabermos de tudo, opinarmos sobre tudo, experimentarmos de tudo.

Perdemos a concentração, o foco e a paciência que nos levavam felizes à mesma empresa para fazermos o nosso trabalho e evoluir nele por 10, 15, 20 anos. Meu pai ficou 30 anos na mesma empresa!

Games como válvula de escape

A realidade de antes era bem mais calma, com mais tempo para nos divertirmos. Hoje nosso mundo está quebrado – não sabemos quando isto aconteceu exatamente – e agora estamos procurando formas de fugir destas pressões e nos divertimos novamente. O melhor que pudemos fazer foi voltar aos nossos instintos, como estudou Huizinga, para criar formas de escaparmos deste mundo criando outros através dos games. Aproveitando o avanço enlouquecido da tecnologia que está conectando tudo e todos, dia a dia, minuto a minuto.

O mercado de games lá em 2012 passou a indústria de música e filmes juntas e hoje cresce 9% ao ano – 18% na américa latina. É o maior mercado dentro do entretenimento há algum tempo.

Em redes sociais, em casa, no celular, no tablet… estamos jogando mais do que nunca e pelo jeito não iremos parar tão cedo. Então como aproveitar este foco, concentração e prazer que os games proporcionam e que perdemos em algum momento lá atrás quando “quebramos” a nossa realidade?

Agora sim: gamificação.

Quando pegamos a essência dos games e aplicamos em nosso cotidiano podemos resgatar o prazer e a concentração que atualmente só os jogos despertam para continuarmos fazendo o que temos que fazer. Mas resolvendo estes problemas de uma forma bem mais divertida.

Seja para estudar, para o dia a dia ou para continuar a fazer a empresa ser lucrativa. E certamente, ganhar alguns bônus e prêmios.

 

originalmente publicado no LinkedIn